Entrevista com o autor Menesil

Como é o processo de escrita de livro?
Acho que tem escritores que escrevem do começo. Talvez a maioria. Eu começo do meio.

A ideia surge, geralmente com base em uma inquietação de um problema próximo.
Então o texto vai se expandindo, para todos os lados, conforme vão surgindo os pensamentos.
Depois, leio, releio, vou organizando e colocando ideias novas. Provavelmente nunca pararia se não mandasse o livro para publicação.
Acho que com essa bagunça de pensamentos, tenho um pouco os traços de Nietzsche e sua esquizofrenia. Ou muito.
E os personagens?
São sempre inspirados em pessoas reais, mas nunca uma só. Cada personagem que crio é uma mistura de comportamentos de várias pessoas que conheço, convivo ou observo.
E no caso do Como escapar, de onde veio a inspiração?
Esta foi uma obra muito particular. Sofri com a depressão. Não foi fácil. Mais difícil ainda é ter coragem de assumir isso. Talvez senti liberdade com as palavras.
Quem fez o excelente projeto artístico da obra?
Fiz a capa, o logo e toda a diagramação, seguindo os requisitos de publicação da plataforma Amazon KDP e também elaborei a identidade visual do site/blog do projeto e suas redes sociais, junto com todas as estratégias de divulgação e marketing.
Logo se nota mesmo que não é de qualidade profissional. E qual o seu objetivo com essa obra?
Simplesmente ajudar as pessoas. Quem sofre com depressão muitas vezes não sabe o que está acontecendo, tem medo ou vergonha de pedir ajuda e, de fato, enfrenta muito preconceito. Com este livro muita gente pode se identificar com as dificuldades e perceber que outras pessoas passaram por isso e, então, podem encontrar forças para seguir um caminho de superação.
E como o livro pode ser útil para quem não sofre com depressão?
Por outro lado, quem não está passando por isso, muitas vezes não percebe, mas pode ter uma pessoa que ama passando por essas dificuldades. Sem dar atenção ou rindo delas, os problemas só se agravam, mas ao abrir os olhos, podemos ajudar muitas pessoas próximas, algumas que podem estar a beira do suicídio.
Não acha muito sensacionalismo dizer que depressão pode levar ao suicídio?
De forma alguma. É só olhar as últimas estatísticas da ONU informando que mais de 800 milhões de pessoas sofrem de depressão em todo mundo, resultando em 100 milhões de casos de suicídio todo ano. São dados alarmantes e, por isso, essa doença é considerada por muitos o mal do século.
Você já pensou em suicídio?
Sim.
Quer falar mais sobre isso?
Não.
Por que?
São problemas muito pessoais e cada um deve encontrar suas próprias soluções e isso não agrega nada para o leitor, principalmente por serem problemas específicos ou vários deles acumulados e que não representam os mesmos problemas de outras pessoas.
Sabe que muitas pessoas podem achar você arrogante por essa entrevista?
Tirou as palavras de minha boca.
Ok, certo… Bom, então quais os principais problemas de quem sofre depressão?
Geralmente são problemas financeiros, familiares, de relacionamentos, mortes, que nos levam a um grau de tristeza mais forte e quando isso se agrava e perdura por mais tempo, pode evoluir para a depressão, que nos deixa mais fracos ainda e com menos forças para resolver os problemas, então tudo só vai piorando. Por isso é sempre importante procurar tratamento como outra doença qualquer e ter o apoio de alguém para nos fortalecer.
Você contou com apoio de pessoas próximas para te ajudar a vencer a depressão?
No começo não, pois estava sofrendo sozinho, ninguém sabia e nem aparentava estar sofrendo, disfarcei bem, enquanto consegui.
Depois tomei coragem e contei aos familiares mais próximos. No começo não acreditaram, zombaram de mim, disseram que era coisa de gente fraca, gente rica, que eu nem tinha dinheiro para pagar um médico ou psicólogo para essas frescuras de rica mimada e que era só desculpas pra não fazer nada da vida e ficar só dormindo.
São palavras fortes, que nos derrubam mais ainda. Infelizmente um preconceito normal, mas que precisa mudar.
Só depois que entenderam, aceitaram e me ajudaram e muito.
Esse é o fator mais decisivo entre a cura para depressão ou o pensamento em suicídio.
Quem são esses familiares?
Prefiro não revelar, mas quem ajuda sabe e posso dizer que serei eternamente grato. E quem ainda zomba, espero que leiam mais sobre o assunto e entendam melhor, sem preconceitos.
Acredita que podem achar tudo isso uma montagem sua para vender mais cópias com a mensagem praticamente igual a “baseado em fatos reais”?
Sim, e talvez essa foi a intenção. Se não jamais destacaria logo na capa “o autor deste livro superou a depressão”. Sem dúvida são estratégias de marketing. Mas pode ter certeza: quem nunca passou por isso não sabe dizer com tanta riqueza de detalhes como são os sentimentos.
Por melhor que seja o escritor, com mente fértil, fazendo várias pesquisas, com experiência no assunto, não saberia expressar tanta dor. Sem contar a vergonha de tornar isso público.
Mas superei esses medos pois a vontade de ajudar é maior. E gosto de escrever sobre a realidade que vivo, assim, consigo fazer algo bem melhor.
E se ainda assim acham que é mentira exclusivamente para você ganhar dinheiro com as vendas?
Não tem o que fazer. Todo trabalho público sempre terá críticas e precisamos estar preparados para acolher as críticas úteis visando melhorar nosso trabalho e ignorar as críticas ofensivas ou destrutivas. A propósito, o dinheiro arrecadado com a venda dos livros, utilizo para manter o projeto do site comoescapar.com com os custos de servidor, webdesign, programação, licenciamento de sistemas, manutenção de webmasters e publicidade.
Confessa que teve medo ao publicar o livro?
Considero todo autor destemido, por tornar público seus pensamentos e não escondo de ninguém o medo real de voltar a depressão ao publicar um livro e só receber críticas extremamente destrutivas. Mas eu precisava disso, não podia me calar, ainda mais sabendo tantas pessoas que sofrem silenciosamente, dentro de suas próprias mentes. Depois de tudo que passei, palavras ruins não me abalariam e eu sabia que quem estava sofrendo de verdade ou já passou por isso ou conhece alguém enfrentando essas dificuldades, que se identificariam, me entenderiam e saberiam o valor de todo este esforço.
Você se inspirou em algum escritor famoso?
Sempre leio muito: Nietzsche, Tolstoi…
A inspiração vem de uma fusão de todos que se acumulam em nosso inconsciente e, quando colocamos nossos pensamentos bagunçados no papel e organizamos, percebemos quantas boas influências tivemos.
Acha que pode virar, um dia, um escritor rico ou famoso como esses? (risos do entrevistador)
Não é meu objetivo. Quem escreve pensando somente em fama ou dinheiro, foca em pesquisas de mercado para atingir o sucesso e riqueza. Não é ruim, mas não é o que faço.
Gosto de escrever para pessoas que estão ao meu lado, entregar pessoalmente meus livros, quase como uma carta, destinada a uma pessoa. Mas quando tornamos público um trabalho desses, principalmente com divulgação mundial na Internet, ficamos cheio de expectativas, talvez até vender 1 milhão de cópias.
Claro que é muito difícil um livro de um autor desconhecido vender mais do que a quantia de parentes e amigos próximos que ele tenha, mas estou muito satisfeito com a grandeza de meu público que não se mede em quantidade e sim em incrível força para lutar.
(Mais risos do entrevistador)… Está certo, 1 milhão de cópias e depois o Nobel de literatura. Sonhar não custa nada mesmo. E quanto tempo levou para escrever a obra?
9 meses.
Uma gestação! Teve dificuldades para publicar?
Já tentei várias vezes em editoras tradicionais, enviar original para análise, praticamente todas as editoras no Brasil e em Portugal. A maioria nem responde e as poucas que se dão a este trabalho é praticamente para enviar uma resposta automática de negação e provavelmente nem leram a primeira página. Então, neste ponto, só tenho a agradecer a Amazon pela oportunidade da publicação gratuita e independente através do programa KDP (Kindle Direct Publishing) com o lançamento em ebook e possibilidade de fazer a versão impressa sob demanda.
Incrível editoras recusarem um escritor de bestseller, não sabem o que estão perdendo! (risos) E qual a vantagem de publicar em formato de eBook na Amazon?
Primeiro pensamos na facilidade e o alcance que sua obra pode ter. Depois nos decepcionamos um pouco, pois sem publicidade não conseguimos nenhuma venda. Mas a vida de escritor desconhecido é difícil mesmo, por isso devem ser respeitados e não desacreditados, por decidirem encarar esse caminho árduo, afinal, há muito escritor bom que já tem ótimas obras e, infelizmente, não conseguiu ser publicado por falta de oportunidades.
Qual o cenário hoje de escritores novos no Brasil?
Quem não tem dinheiro, fama ou conhecidos neste mercado dificilmente conseguem se sobressair a menos que tenha muito tempo e forças próprias para fazer seu trabalho diário a divulgação do seu livro nas redes sociais, eventos etc.
Essa é a difícil realidade de novos autores, pois quem terá tempo para fazer tudo isso se já estuda e/ou trabalha muito para se sustentar, muitos com família? Vários até fazendo hora extra e trabalhos adicionais para poder conseguir se manter e mal tem tempo para escrever nas horas vagas.
Isso quando ainda não caem em editoras que precisa pagar para publicar, as editoras vêm cheias de promessas e, no fim, só publicam algumas cópias para o próprio autor vender, embolsam todo lucro, o autor fica endividado e não consegue vender nada além dos familiares.
Já caiu em golpes de falsa promessa de publicação de editoras e agentes literários?
Vários. Não vale a pena seguir por esse caminho. Quem gosta de escrever tem muito mais leitores de fizer artigos e publicar em blogs e nas redes sociais. E se gosta de escrever livros ou já escreveu vários, publique na Amazon e divulgue bastante nas redes sociais. Pode até fazer isso gratuitamente ou colocar um valor simbólico, pois dificilmente você irá ganhar alguma coisa com suas primeiras obras, mas terá muitos leitores e, conforme for aumentando seu público, poderá ir lançando livros com valores mais alto ou aumentando os visitantes de seu blog e podendo lucrar com publicidade.
É por isso que decidiu fazer seu blog?
Fiz o blog comoescapar.com para escrever artigos que vão muito além da história do livro. Gosto muito de escrever, sobre tudo. Mas realmente uso o livro para divulgar o blog e o blog para divulgar o livro, é um ciclo.
Pessoas pesquisam no Google sobre diversos artigos que postei, entram no site e podem se interessar em comprar meu livro. Essa estratégia é chamada de marketing de conteúdo.
Por outro lado, quem está na Amazon e se interessa em comprar meu livro, se gostar da história poderá se interessar em querer conhecer meu blog, virar um leitor fidelizado e poder comprar outros livros.
Você entende bem de Internet?
Estou sempre aprendendo, mas pesquiso tudo que pode ajudar e depois escrevo artigos também sobre tudo que aprendo para compartilhar o conhecimento e também ajudar novos autores.
Tem alguma pergunta que gostaria que fosse feita e esquecemos?
Sim. Como me sinto hoje?
A sensação de alívio é maior do que a sensação de felicidade, quase como missão cumprida, por passar por um problema grave, enfrentar, vencer e ainda ter a coragem de combater o preconceito para ajudar mais pessoas. Hoje me sinto curado e com bem mais força para encarar dificuldades e poder contribuir para que mais pessoas alcancem a mesma sensação de satisfação.
Uma mensagem final?
Nunca dê risadas dos sonhos alheios. Eles podem se tornar realidade.
O entrevistador autorizou a publicação da entrevista através deste canal mantendo seu anonimato.